Eficiência Energética

This project is prepared by:

Bruna Marujo, Jacinta Sousa, Edite Sousa and Rafaela Barbosa of Agrupamento de Escolas de Valongo.
Co-ordinator: Yasir Shahzad
As part of the project by Galp Energia.

on the Topic: “Eficiência Energética

 

 

A eficiência energética é o processo de reduzir o consumo de energia de infraestruturas, instalações, edifícios, máquinas, dispositivos, produtos, serviços, processos de negócios, atividades e transporte. A eficiência é o oposto do desperdício. A eficiência energética pode reduzir custos, melhorar a competitividade, reduzir o impacto ambiental e melhorar a qualidade de vida. A seguir, seguem-se exemplos comuns de eficiência energética.

 

Reuso

54dd7d5386003.image

As coisas necessitam de energia para serem produzidas. Como tal, a reutilização conserva energia. Por exemplo, a renovação de um prédio antigo para dar uma nova vida pode consumir muito menos energia do que derrubá-lo e reconstruí-lo completamente.

 

Design Passivo

Designs que não exigem energia, como janelas, em oposição a luzes elétricas que exigem demasiada. O design passivo é comumente usado para iluminar, aquecer e refrescar edifícios.

 

Utilização de recursos

Usar recursos que estão disponíveis gratuitamente, como painéis solares que detêm a energia que atinge um prédio como, por exemplo, a luz do sol.

 

Design Eficiente

Equipamentos projetados para usar menos energia. É comum que os projetos existentes usem apenas uma pequena fração da energia que consomem para fins úteis. Como tal, melhorias de design podem ser significativas. Por exemplo, uma lâmpada incandescente converte menos de 5% de energia em luz visível. Uma lâmpada LED branca com mistura de cor de fosforescência pode exceder 20% de eficiência.

 

Estilo de vida

193ac620081b0ae4992a41bd9341d54a

Mudanças no estilo de vida, como viver perto das coisas que precisa, tem um impacto significativo no seu consumo de energia. No Japão, uma campanha conhecida como Cool Biz incentiva os funcionários de escritório a vestirem-se informalmente no verão e as empresas a definirem as condições do ar para 28 ° C ou 82 ° F.

 

Desligar

artigo_71927

Desligar as coisas quando não as está a usar. Por exemplo, reduzir a iluminação externa excessiva que pode representar poluição luminosa.

 

Manutenção

Manter tudo em bom estado de conservação pode reduzir o consumo de energia, assim como, reparar os equipamentos em vez de substituí-los também economiza energia.

 

Redução de resíduos

Reduzir vazamentos e outros resíduos de energia. Por exemplo, a renovação de um edifício antigo para melhorar o isolamento.

 

Utilização

Alcançar uma alta taxa de utilização de recursos, usando como exemplo, um comboio que transporta milhares de passageiros contra milhares de carros com um passageiro.

 

Eletrodomésticos

Aparelhos modernos, como frigoríficos, fornos, lava-louças e máquinas de lavar e secar roupa, usam significativamente menos energia do que os eletrodomésticos mais antigos. A instalação de um varal de roupa reduzirá significativamente o consumo de energia, pois a máquina de secar será menos usada diariamente. Os frigoríficos atuais com eficiência energética, por exemplo, consomem 40% menos energia do que os modelos convencionais em 2001. Em seguida, se todos os domicílios na Europa mudassem os seus aparelhos com mais de dez anos para novos, 20 bilhões de kWh de eletricidade seriam economizados anualmente, reduzindo assim as emissões de CO2 em quase 18 bilhões de kg. De acordo com um estudo de 2009 da McKinsey & Company, a substituição de aparelhos antigos é uma das medidas globais mais eficientes para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Os sistemas modernos de gestão de energia também reduzem o uso de energia por meio de dispositivos inativos desligando-os ou colocando-os em um modo de baixa energia após um determinado período. Muitos países identificam equipamentos eficientes do ponto de vista energético usando rotulagem de entrada de energia.

O impacto da eficiência energética na demanda de pico depende de quando o aparelho é usado. Por exemplo, um ar condicionado usa mais energia durante a tarde quando está quente. Portanto, um condicionador de ar energeticamente eficiente terá um impacto maior sobre a demanda de pico do que a demanda fora do pico. Por outro lado, uma máquina de lavar louça com eficiência energética usa mais energia durante a madrugada. Este aparelho pode ter pouco ou nenhum impacto na demanda de pico.

 

Projeto de construção

Os edifícios são um campo importante para melhorias de eficiência energética em todo o mundo devido ao seu papel como um grande consumidor de energia. No entanto, a questão do uso de energia em edifícios não é simples, pois as condições internas que podem ser alcançadas com o uso de energia variam muito. As medidas que mantêm os edifícios confortáveis, com iluminação, aquecimento, refrigeração e ventilação, consomem energia. Normalmente, o nível de eficiência energética num edifício é medido dividindo-se a energia consumida com a área útil do edifício, que é chamada de consumo de energia específico (SEC) ou intensidade de uso de energia (EUI).

Assim, uma abordagem equilibrada da eficiência energética em edifícios deve ser mais abrangente do que simplesmente tentar minimizar o consumo de energia. Questões como a qualidade do ambiente interno e a eficiência do uso do espaço devem ser consideradas. Por este meio, as medidas usadas para melhorar a eficiência energética podem assumir muitas formas diferentes. Muitas vezes, eles incluem medidas passivas que inerentemente reduzem a necessidade de usar energia, como um melhor isolamento. Muitos servem a várias funções, melhorando as condições internas e reduzindo o uso de energia, como o aumento do uso de luz natural.

A localização e os arredores de um edifício desempenham um papel fundamental na regulação da sua temperatura e iluminação. Por exemplo, árvores, paisagismo e colinas podem fornecer sombra e bloquear o vento. Em climas mais frios, projetar edifícios do hemisfério norte com janelas viradas para o sul e edifícios do hemisfério sul com janelas voltadas para o norte aumenta a quantidade de sol (energia térmica) que entrará no prédio, minimizando o uso de energia e maximizando o aquecimento solar passivo. O projeto de um prédio mais apertado, incluindo janelas com eficiência energética, portas bem vedadas e isolamento térmico adicional em paredes, lajes e fundações, pode reduzir a perda de calor em 25% a 50%. A colocação adequada de janelas e claraboias, bem como o uso de recursos arquitetónicos que refletem a luz num edifício, podem reduzir a necessidade de iluminação artificial. O aumento do uso de iluminação natural e de tarefas foi demonstrado em um estudo para aumentar a produtividade em escolas e escritórios.

 

Indústria

industria-moderna-1140-160517.jpg__1140x450_q85_crop_subsampling-2_upscale

As indústrias usam uma grande quantidade de energia para alimentar uma gama diversificada de processos de fabricação e extração de recursos. Muitos processos industriais requerem grandes quantidades de calor e energia mecânica, a maioria dos quais é fornecida como gás natural, combustíveis de petróleo e como eletricidade. Além disso, algumas indústrias geram combustível a partir de resíduos que podem ser usados ​​para fornecer energia adicional.

Como os processos industriais são tão diversos, é impossível descrever a multiplicidade de possíveis oportunidades de eficiência energética na indústria. Muitos dependem das tecnologias e processos específicos de uso em cada instalação industrial. Existem, no entanto, vários processos e serviços de energia que são amplamente utilizados em muitos setores.

Várias indústrias geram vapor e eletricidade para uso posterior nas suas instalações. Quando a eletricidade é gerada, o calor que é produzido como subproduto pode ser capturado e usado para vapor de processo, aquecimento ou outras finalidades industriais. A geração convencional de eletricidade é cerca de 30% eficiente, enquanto a combinação de energia e calor (também chamada de cogeração) converte até 90% do combustível em energia utilizável.

Caldeiras e fornalhas avançadas podem operar em temperaturas mais altas enquanto queimam menos combustível. Essas tecnologias são mais eficientes e produzem menos poluentes.

 

iluminação pública

comparacao-ilum-publica-sodio-e-led1

 

Cidades em todo o mundo iluminam milhões de ruas com 300 milhões de luzes. Algumas cidades estão a tentar reduzir o consumo de energia de iluminação pública diminuindo as luzes durante os horários de menor movimento ou mudando para lâmpadas de LED. Não está claro se a alta eficiência luminosa dos LEDs levará a reduções reais de energia, pois as cidades podem acabar instalando mais lâmpadas ou áreas de iluminação mais intensamente do que no passado.

 

Combustíveis alternativos

Combustíveis alternativos, conhecidos como combustíveis não convencionais ou avançados, são quaisquer materiais ou substâncias que possam ser usados ​​como combustíveis, além dos combustíveis convencionais. Alguns combustíveis alternativos bem conhecidos incluem biodiesel, bioálcool (metanol, etanol, butanol), eletricidade armazenada quimicamente (baterias e células de combustível), hidrogénio, metano não-fóssil, gás natural não-fóssil, óleo vegetal e outras fontes de biomassa.

 

Conservação de energia

 

A conservação de energia é mais ampla do que a eficiência energética ao incluir esforços ativos para diminuir o consumo de energia, por exemplo, por meio da mudança de comportamento, além de usar energia de maneira mais eficiente. Exemplos de conservação sem melhorias de eficiência são aquecer menos uma sala no inverno, usar menos vezes o carro, secar suas roupas ao ar livre em vez de usar máquinas de secar, ou habilitar modos de economia de energia num computador. Tal como acontece com outras definições, o limite entre o uso eficiente de energia e a conservação de energia pode ser confuso, mas ambos são importantes em termos ambientais e económicos. Esse é especialmente o caso quando as ações são direcionadas à economia de combustíveis fósseis. A conservação de energia é um desafio que exige que os programas políticos, o desenvolvimento tecnológico e a mudança de comportamento andem de mãos dadas. Muitas organizações intermediárias de energia, por exemplo, organizações governamentais ou não-governamentais em nível local, regional ou nacional, estão a trabalhar em programas ou projetos frequentemente financiados publicamente para enfrentar esse desafio. Os psicólogos também se envolveram com a questão da conservação de energia e forneceram diretrizes para a realização de mudanças de comportamento para reduzir o consumo de energia, levando em conta considerações tecnológicas e políticas.